O Centro de Inseminação Artificial do Litoral Alentejano, instalado no concelho de Santiago do Cacém, celebra este ano 20 anos da sua fundação pelo Agrupamento de Suinicultores do Litoral Alentejano (ASLA). Constituído inicialmente com o objetivo de dar resposta às necessidades dos associados da ASLA, o CIALA, como é também designado, ultrapassou rapidamente essa função, tendo conquistado 70% do mercado nacional.

Na altura da criação do CIALA, em 1997, o processo de inseminação artificial em suínos estava pouco desenvolvida, recordou José Daniel Alves, administrador do CIALA. No entanto, esse foi a primeira iniciativa da ASLA.

 

O centro de Santiago do Cacém, que foi o segundo criado no país, começou por ter apenas 20 animais, chegando hoje em dia aos 360, abastecendo cerca de 70% do mercado nacional, tendo vendido este ano, 760 mil doses de sémen.

 

Embora a aposta inicial tenha sido de “descoberta”, uma vez que se tratava de um novo processo para os suinicultores locais, o CIALA rapidamente se desenvolveu, adoptando novas tecnologias e processos mecanizados.

“O sémen dos varrascos é recolhido mecanicamente, os animais têm todos um chip nas orelha, nós fazemos a leitura docódigo de barras do animal, emite uma etiqueta, vai um copinho onde é recolhido o sémen”.

Atualmente o CIALA tem também um banco de ADN, o que permite aos produtores que recorrem ao centro confirmar se os “leitões” são filhos do varrasco que escolheu para a reprodução.

 

A evolução do CIALA, desde a sua criação, vai ser recordada hoje, num colóquio a decorrer esta tarde, na Santiagro, em que o 20.º aniversário do centro é assinalado, espreitando já também o futuro.

Segundo José Daniel Alves, além da abordagem sobre os processos de qualidade usados atualmente, vai ser apresentado o “futuro da inseminação” artificial, que pode passar pela “transferência de embriões”, desvendou José Daniel Alves.

 

O colóquio, dirigido a empresários, profissionais, instituições, investigadores e também curiosos, começa pelas 16:00, no Auditório Municipal António Chainho, junto ao parque de feiras e exposições de Santiago do Cacém, onde decorre a Santiagro.

Previous Quer aprender a ordenhar uma cabra ? Saiba como com o produtor António Pereira
Next "A Santiagro contribui para o desenvolvimento da região"