Pouco passava das 19h00 quando o concerto de Cristina Branco arrancou no palco principal do Castelo e público não faltou para aplaudir a artista que regressou ao Festival Músicas do Mundo pela quarta vez. Mais uma vez e como é tradição a música portuguesa emprestou os primeiros acordes à voz da cantora de ‘Não há só Tangos em Paris’.

Em Sines, a artista apresentou o álbum ‘Menina’ e talvez por isso tenha dedicado o concerto do FMM ao sexo feminino.

“É um concerto no feminino mas não só até porque há músicas importantes do meu passado que, de alguma forma, apresentam este novo disco e é isso que vamos apresentar às pessoas”, explicou Cristina que neste seu novo trabalho experimenta vários estilos musicais e canta vários poetas.

Será esta uma nova abordagem do fado, questionámos: “Sim, alguns acham que sim que é uma nova abordagem e que será por aí o caminho, outros que é uma coisa completamente diferente. Há um fado tradicional nesse disco, um texto da Amália, que faz parte do passado e da minha identidade e, em ‘Menina’, há uma rutura com esse passado porque os autores que compõem este álbum vêm da música indie e da música rock”, confidenciou.

FMM| CRISTINA BRANCO ABRIU FMM EM SINES                                                                   © Camilo Abdula

Cristina Branco, que subiu ao palco do FMM, acompanhada pelo contrabaixo, piano e guitarra portuguesa,  juntou os dois universos porque, no seu entender, a música indie e o fado “vivem de uma tonalidade menor” e “é uma boa forma de os juntar”, diz a artista que se identifica com “uma certa contemporaneidade da música portuguesa”.

A cantora portuguesa gosta de estar em Sines. Disse-o ao Diário da Feira e gritou ao público, quase no final do seu concerto.”É um público muito recetivo e que está disponível para ouvir coisas novas. Por ser muito caloroso as pessoas vão interagir e perceber o que estamos a fazer”.

“Quero partilhar convosco o quanto eu gosto de estar aqui e o quanto é importante para mim este momento”, antes de fechar o concerto ao som da música retirada do novo álbum ‘Saber aqui estar’.

 

FMM | PÚBLICO ADERIU AO PRIMEIRO CONCERTO NO CASTELO              © Camilo Abdula

“Vai ser uma das melhores edições de sempre”

“Este festival vai ser um dos melhores de sempre” garantiu o presidente da Câmara Municipal de Sines, a entidade que há dezanove anos organiza aquela que é a grande montra da worldmusic.

“Não é por acaso que resolvemos  proporcionar a todos os festivaleiros o melhor alinhamento de sempre, cerca de 57 concertos, com trinta e seis países representados dos cinco continentes”, disse Nuno Mascarenhas que deposita “na máquina do FMM” toda confiança de que esta “vai ser uma das melhores edições de sempre”.

Com o arranque, em Sines, o autarca aproveitou para fazer um balanço da passagem por Porto Covo.

“Foi excecional, segunda e terça-feira correu muito bem e acima das nossas expetativas. Pela movimentação na aldeia, pela afluência na restauração e na hotelaria temos a convicção que foi dos melhores primeiros dois dias de sempre”, revelou Nuno Mascarenhas que, em declarações ao Diário da Feira lembrou que o Festival tem vindo a ser galardoado com prémios internacionais que “em muito prestigiam” o evento.

 

Pôr o Festival Músicas do Mundo a funcionar “não foi fácil”, reconheceu o autarca devido “aos inúmeros eventos espalhados pelo país” que causaram “alguns constrangimentos ao nível dos fornecedores” e que podem alterar o orçamento do festival. “No final faremos esse balanço”, concluiu o edil.

 

Pelo Castelo ainda vão passar neste terceiro dia, em Sines, sonoridades oriundas da Grécia – SAVINA YANNATOU & PRIMAVERA EN SALONICO   -, Camarões/Cuba – RICHARD BONA MANDEKAN CUBANO   – e Dinamarca – DEN SORTE SKOLE  .

Com o arranque dos concertos na ‘casa mãe’ do Festival Músicas do Mundo, o Diário da Feira, realiza nas emissões da rádio Miróbriga um jornal diário do FMM que é transmitido, às 11h30 e às 18h30, a partir de Sines.

Na primeira dessas emissões Ouvir Aqui  estivemos à conversa com Carlos Seixas, programador do Festival Músicas do Mundo, entrevistamos a artista Cristina Branco e tivemos como convidado, Mário Pires, fotógrafo oficial do FMM e autor do projeto ‘Book Loving Girls’

 

 

 

Previous ‘Ifriqiyya Électrique’ funde sonoridades tradicionais da Tunísia com eletrónica europeia
Next Sines recebe hoje música de Espanha, Brasil, Mongólia, Porto Rico, Israel, Honduras e Colômbia