O palco do Castelo de Sines abre hoje a noite de espectáculos com dez vozes femininas. Todas juntas formam a Sopa de Pedra, um grupo oriundo do Porto que canta ‘à cappella’, inspirado no cancioneiro português. Cantam a tradição portuguesa, com arranjos contemporâneos.

Inês Campos, Teresa Campos, Inês Melo, Rita Sá, Rita Costa, Inês Loubet, Mariana Gil, Sara Yasmine, Maria Vasquez e Benedita Vasquez sobem ao palco entre muralhas às 19:00.

Antes disso, às 17:00, o Centro de Artes de Sines recebe Parvathy Baul, um grupo de músicos místicos de Bengala, que acreditam que quando o universo foi criado existia apenas o som “OM”, o mesmo que faz o cordofone ektara, que seguram na mão direita, perto do ouvido, quando cantam.

Depois do primeiro concerto no Castelo de Sines, a música muda-se, como é habitual, para a avenida Vasco da Gama para um espetáculo que junta Benjamim (Portugal) e Barnaby Keen (Reino Unido) em palco, acompanhados por Nuno Lucas, no baixo elétrico, João Correia, na bateria e António Vasconcelos Dias, nos teclados e voz.

De volta ao Castelo, pelas 22:00, é algura de “passar” pela África do Sul, com os BCUC, que significa Bantu Continua Uhuru Consciousness. “Na sua própria definição: seres humanos que procuram continuar a liberdade da consciência”, explica a organização do festival.

Formado por sete músicos do Soweto, juntos desde 2003, contam histórias de onde são, em zulu, sotho e inglês, com música afro-psicadélica, com tambores tradicionais em comunhão com jazz sul-africano, cantos de igreja, blues, rock, rap.

A música continua noite dentro com Fatoumata Diawara & Hindi Zahra (Mali / Marrocos), que gravaram em Bamako um disco que fixa o essencial da sua Olympic Café Tour.

Os ritmos quentes de África continuam com Mário Lúcio (Cabo Verde), que sobe ao palco do Castelo de Sines à 00:30. Já a entrar na madrugada, à 01:45, é a vez de Orlando Julius (Nigéria) & Bixiga 70 (Brasil) “tomarem conta” do espétaculo para encerrar a noite de concertos entre as muralhas.

Encerradas as portas do Castelo, é hora de rumar novamente em direção à baía de Sines. No palco da avenida Vasco da Gama há música até quase ao amanhecer com Thomas De Pourquery & Supersonic (França) e Chico Trujillo (Chile).

Previous Sérgio Godinho elogia festival com "características étnicas muito particulares"
Next Sons de fábricas inspiram projeto electroacústico de Mercedes Péon