A “maior edição de sempre” do Festival Músicas do Mundo (FMM) de Sines, com “o melhor e maior alinhamento de sempre” teve “reflexos” na “afluência” do público, destacou o presidente da Câmara de Sines, Nuno Mascarenhas, em declarações ao Diário da Feira.

FMM | Nuno Mascarenhas, presidente da Câmara Municipal de Sines | © Camilo Abdula

Enquanto a cantora caboverdiana Lura (en)cantava no palco do Castelo de Sines, na última noite de concertos do 19.º FMM, o autarca falava, em jeito de balanço, sobre a edição da festa da música do mundo prestes a terminar.

“Esta é a maior edição de sempre, com o melhor e o maior alinhamento de sempre e naturalmente que isso tem reflexos naquilo que é a afluência neste festival”, disse Nuno Mascarenhas, revelando, sem indicar números, que a “bilheteira tem tido recordes dia após dia”.

No entanto, o autarca não hesitou em revelar que o número de bilhetes vendidos através da internet no estrangeiro “triplicou”, com ingressos a serem adquiridos em países como por exemplo a Alemanha, Austrália, Holanda e América do Sul.

O crescimento do festival e o reconhecimento internacional, que tem sido conseguido em parte também graças a distinções e galardões que têm sido conquistados pelo festival promovido pela Câmara de Sines, tem contribuído para atraír mais público e, consequentemente, acredita o autarca, trazer “valor acrescido à economia local”.

Esse é também um objetivo de Nuno Mascarenhas, que considera que a aposta em mais concertos durante o FMM pode ser uma forma de “trazer mais turistas e pessoas que possam ficar mais dias no concelho”.

A lacuna assumida pelo autarca da falta de alojamento turístico para receber todos os visitantes durante o FMM, poderá vir a ser colmatada no próximo ano, altura em que Nuno Mascarenhas espera que o “parque de campismo” da cidade “esteja aberto ao público”.

No próximo ano, vai ser promovida a 20.ª edição do FMM, que poderá vir a ter mais novidades, anunciou o autarca.

Para saber mais detalhes, pode ouvir a entrevista na íntegra aqui:

Previous Há milhares de livros e de discos do Mundo na Capela da Misericórdia de Sines
Next Grândola espera “cem mil visitantes” na Feira de Agosto