Utilizar a cortiça para diferentes fins é a proposta de Fernanda  Marcelino, mãe de duas crianças que, há quatro anos, decidiu investir no ‘Rosa Sonho’, um projeto que tem sede em Grândola.

Está na Feira de Agosto, em Grândola, para mostrar os seus trabalhos à base da “folha de cortiça”. Material que pode ser usado em todo o género de produtos, basta deixar a imaginação fluir. “Foi por acaso que comecei nesta área, trabalhava em tecido e depois aventurei-me no tecido em cortiça e pensei em fazer uma peça ou outra. A primeira peça que fiz foi um laçinho para a minha filha”, explicou.

Bolsas, malas, carteiras, celas de cavalos, tabuleiros de cozinha, puf’s, bijuteria, almofadas, utensílios para a cozinha, decoração de casa, de tudo um pouco se pode encontrar neste atelier que, por estes dias, se mudou para a feira de Grândola. “Idealizo o modelo, faço os moldes e depois confeciono, com a ajuda da máquina de costura. É tudo por tentativa e erro”, adianta.

No stand na feira, o sofá forrado a cortiça, decorado com almofadas, também em cortiça, é a peça que provoca mais curiosidade entre os visitantes. “Adquiro a cortiça nas fábricas e, no caso do sofá, tive a ajuda de outra pessoa. O tecido de cortiça, tem milímetros de espessura e pode ser trabalhado como qualquer outro tecido”. O sofá é vendido por cerca de 690 euros.

Este tipo de artigos, é a nova aposta do projeto porque, diz a jovem empresária, é preciso “inovar porque já há muita gente a fazer este tipo de artigos”.

“Forneço também para lojas, inclusive em Aveiro, onde vendo todos estes artigos – malas e carteiras – mas no nosso  atelier em Grândola também estamos disponíveis para receber a visita de todos os interessados”, acrescenta a empresária de Grândola.

Previous Festival Hípico e Miguel Araújo fazem parte do programa do terceiro dia da Feira de Agosto
Next Exposição de arqueologia retrata a evolução do Homem em Grândola desde o Mesolitico