O Largo Marquês de Pombal, em Porto Covo, está a tornar-se pequeno para o Festival Músicas do Mundo (FMM) diz o presidente da Câmara Municipal de Sines, Nuno Mascarenhas num balanço da passagem do FMM pela aldeia turística que, há quatro anos, voltou a receber as sonoridades da worldmusic.

“Temos a consciência que o público de Porto Covo é diferente, em menor número, daí a necessidade de introduzirmos [este ano] os transfer’s e trazermos o público de Sines a Porto Covo, mas concordo que este largo [Marquês de Pombal] está a tornar-se pequeno para este festival”, adiantou o autarca ao Diário da Feira.

A introdução de um novo palco em Porto Covo está a ser equacionado pela Câmara de Sines, entidade organizadora do festival, admitiu Nuno Mascarenhas.

“Há várias situações que estão a ser equacionadas embora o largo tenha um carisma que outros locais não têm, em Porto Covo, mas penso que pode ser analisada a possibilidade de criar mais um palco” na aldeia que, este ano, recebeu mais um dia de festival para assinalar as 20 edições do FMM.

E foi um arranque extraordinário, com músicos de mão cheia a ‘oferecer’ ao público concertos de grande nível em género de aquecimento para os próximos dias, no Castelo, em Sines.

“Recordo-me que, em 2014, quando regressamos a Porto Covo os comerciantes tinham dúvidas que resultasse e, no último dia do festival, esperam que continue por muitos anos”, sublinhou o autarca.

Recorde-se que, em 2014, o FMM regressou à aldeia turística com concertos gratuitos depois de uma pausa de alguns anos. “Sendo gratuito teve impacto”, reconhece o presidente do município embora admita que “as contas tenham de ser feitas no seu global”.

“Quando dizemos que é uma mais-valia para o concelho, estamos a falar em alguns milhões de euros que entram na economia local e, naturalmente, que não é um investimento de 300 ou 400 mil euros que a autarquia possa fazer que teria retorno de outra forma qualquer. Portanto, estamos conscientes que fazemos este investimento não por considerarmos que este festival é um serviço público que prestamos mas sobretudo na dinâmica que é criada na economia local”, acrescentou o autarca que conta anunciar amanhã, no arranque do FMM no Castelo de Sines, um investimento hoteleiro no concelho de Sines.

O primeiro dia dos concertos no Castelo de Sines começam amanhã com sonoridades de Cabo Verde trazidas pela voz de Elida Almeida (19h00), seguindo-se no palco da avenida Vasco da Gama, Derya Yldirim & Grup Simsek, formação da Turquia/França/R.Unido/Alemanha/Itália (20h30), no Castelo, Moon Hoch, dos EUA (22h00), Alsarah & The Nubatons, Sudão/EUA (23h15), Havana Meets Kingston, Cuba/Jamaica (00h30), Peko Kappi & K:H:H:L, Finlândia (2h00), Duoud, Argélia /Túnisia (03h15), Ammar 808, Tunísia (04h30).

 

 

 

Previous FMM convida a viajar pelo mundo da escrita em português
Next FMM 2018: Programa de 25 de julho