Atividades Paralelas completam quinze anos a mostrar outros mundos


FMM2018 | © CMS

Enquanto a música de outros ‘mundos’ se faz ouvir por estes dias, em Sines, as atividades paralelas no Centro de Artes celebram quinze anos de existência, com novidades todos os anos. A iniciativa, organizada pelo Serviço Educativo e Cultural do Centro de Artes de Sines, dá destaque este ano à poetisa Cláudia de Campos.

O Diário da Feira conversou com a técnica responsável pela dinamização das atividades. Liliana Rodrigues realça os quinze anos da programação ininterrupta e a importância das iniciativas.

“O Festival Músicas do Mundo é muito mais do que só um festival de concertos e de música, chama as outras áreas e linguagens de expressão artística e por isso as iniciativas paralelas surgem como um elo de ligação com a literatura, dança e as artes plásticas”, sublinhou a responsável que diz “não fazer sentido” existir festival sem estas atividades.

 

Para além dos ateliers infantis com músicos do FMM (Huun-Huur-Tu, dia 26, BaianaSystem, dia 27 e Opal Ocean, dia 28) no Pátio das Artes,  a programação deste ano contou ainda com o espetáculo musical ‘Milho por Peixe’ para a infância e famílias “que foi um sucesso” uma vez que contou com cerca de 200 crianças no Pátio das Artes.

No género literário, a proposta recai nas apresentações e  no espaço ‘Contos de Tantos Mundos’, explica Liliana Rodrigues.

 

Esta quinta-feira, 26 de julho, atuam as ‘Trovadoras Itinerantes’, num passeio pela tradição oral brasileira, seguindo-se o espetáculo ‘Mundos Contados’ por Ana Sofia Paiva, sexta-feira, dia 27, e ‘Histórias do Mundo’, por Clara Hadado, no dia 28 de julho.

Em articulação com o CIEMAR e com o Instituto MARÉ, do Laboratório da Universidade de Évora, o FMM convidou esta instituição a desenvolver um conjunto de iniciativas ligadas ao mar.

Só este ano, centenas de crianças e adultos já participaram nas iniciativas, adianta Liliana Rodrigues que faz um balanço muito positivo dos últimos quinze anos.

 

Num balanço dos quinze anos, Liliana Rodrigues não hesita em afirmar que as Iniciativas Paralelas têm sido “bastante gratificantes”.

“As ‘Iniciativas Paralelas’ têm crescido à medida que o festival tem crescido e é muito bom o retorno porque ao longo destes quinze anos já tivemos participantes nos nossos atelies, que foram o nosso ponto de partida, uma vez que achávamos muito importante estes encontros com os artistas e mostrar este lado do festival”, acrescentou.

“As crianças que de início participaram nos atelies são agora nossos voluntários e já fazem parte da equipa do festival.Outros já cresceram e já frequentam as iniciativas com os seus filhos e isto mostra que o festival é muito mais do que música e concertos”.

 

A iniciativa ‘Conhecer Sines através…’ Cláudia de Campos, que convida a um passeio pelo centro histórico, está marcado para o próximo sábado, dia 28 de julho, a partir das 14h00.

O que se esconde do outro lado do palco? É a pergunta que todos fazem e que a organização responde com a visita orientada ‘O Outro FMM’ agendada para sexta-feira e sábado, a partir das 15h00.

 

Previous Vinte Anos de FMM : Carlos Grulha recorda um festival 'mais intimista'
Next Vinte Anos de FMM: "O melhor concerto foi o que não assisti" - Alexandre Venturinha