FMM 2018: “Foi muito interessante experienciar o festival primeiro como público”


Tulipa Ruiz | FMM 2018 © Mário Pires

Tulipa Ruiz atravessou o Oceano Atlântico para mergulhar nas emoções do Festival Músicas de Sines, por onde já tinham passado músicos seus amigos em edições anteriores. Subiu ao palco do Castelo de Sines na sexta-feira, às 19:00.

Mas, antes disso, teve tempo para conhecer um pouco do festival na pele do público, experiência que recomenda aos músicos que vierem no futuro a Sines.

“Foi muito interessante experienciar o festival primeiro como público. Aconselho todas as bandas que venham tocar aqui que venham um pouquinho antes para viver a experiência, transitar pelo festival”, disse em entrevista ao Diário da Feira a artista, que além de cantar, também compõe e ilustra.

Sobre a 20.ª edição do Festival Músicas do Mundo de Sines, Tulipa Ruiz, considera que é o “coração aberto” do “pessoal que faz a programação” e também das “pessoas que vêm há muito tempo”, que cria uma “energia fluída” e explica a “longevidade do festival”.

“É o olho no olho, é a gente se encontrando e fazendo música, é essa a tecnologia mais de ponta”, concluiu, destacando a proximidade com músicos e com público no festival alentejano das descobertas.

Ouçam aqui a entrevista completa:

Previous FMM 2018: Cordel do Fogo Encantado levaram 'Filha do Vento' ao Castelo de Sines
Next FMM 2018: Despedida do Castelo de Sines faz-se hoje ao som de BaianaSystem